20 de nov de 2009

Sinais


Não sei que horas encontras tempo,
vontade, desejo,
nesse mundo, nessa vida
pra dizer ti amo sem medo.
Pra me olhar,
me amar,
sorrir e chorar, sem segredos.
Tanta coisa em comum,
tão perto e tão longe,
sem toque,
apenas palavras,
sinais ao vento.

inspiração - Os jardins falam - veja no Tule

3 comentários:

Livia disse...

Seus poemas são sempre curtos, mas encatadores.

Bom final de semana amigo!

Pedaços de Tempo disse...

Bonitos Sinais... em bela prosa.
Parabéns amigo!

Abraço e um bom fim-de-semana,
CR/de

Deficiente Ciente disse...

Que lindo poema, Carlos!!
Cheio de encanto e sensibilidade!

abraços
Vera

clique